Amamentação: Uma postagem de peito

A Eloísa chegou em nossas vidas em um dos dias mais frios do ano, esperávamos ansiosamente pelo parto normal, mas ela chegou através de um parto cesariano. Depois de rompida a bolsa, aguardamos algumas horas e seguimos para a maternidade, lá foi feita a cirurgia e em poucas horas estávamos com a nossa pequenininha nos braços. Já contei toda essa história em detalhes num post beeem polêmico(aqui).

Mas e a amamentação?!?! Bom, a cesariana da Eloísa não foi daquelas onde escolhemos, o dia, a hora, o signo do bebê... De qualquer forma, com ou sem a intervenção médica, ela nasceria naquele dia já que eu já tinha entrado em trabalho de parto, meu corpo estava preparado para recebê-la e fornecer todos os nutrientes de que ela precisasse.
É assim foi... Colocamos ela no peito no primeiro dia, mas  não se mostrava tão interessada assim, ofereci a mama várias vezes até  aceitar e realmente começar a sugar, ela era um recém nascido extremamente calmo, fiquei com aquele pacotinho grudadinho em mim todo o tempo que ficamos na maternidade e depois nos primeiros dias em casa... Estava frio mesmo! Rsrsrs
A pediatra da maternidade me orientou quanto a posição correta para amamentar para facilitar a pega do bebê e isso ajudou bastante (por mais que eu fosse uma mãe "mega" experimente, já nem me lembrava mais como eram esses primeiros dias... Que são fundamentais para o sucesso da amamentação). Alguns dias depois, meus seios racharam (essa é a hora... Uma das dores mais difíceis que eu já senti) aqui entra aqueles macetes... Você passa o próprio leite e ele ajuda na cicatrização... Parece mágica.

Observação ultra importante: NÃO existe pomadinha, chá, erva, mandinga que dê jeito, é o leite mesmo, já que você não quer intoxicar o seu bebê.
Com seio quase bom, o bebê sugando direitinho, você passa a produzir uma quantidade monstruosa de leite seu seio endurece e dói...

(outra observação: NUNCA, JAMAIS, DE MODO ALGUM faça compressa quente ou deixe água quente durante o banho cair sobre o seio. Ela estimula a produção de leite e piora a situação)

... dói mesmo, a mama endurecida dificulta a mamada e o bebê não consegue mamar direito e começa a engasgar com a quantidade de leite... Ai ai ai... E agora... O jeito é tirar. Eu confesso que não é muito fácil no começo mas tem a ordenha manual em que fazemos movimentos circulares sobre a parte endurecida da mama e tiramos o excesso de leite (o leite esguicha, nosso corpo é uma máquina perfeita!). Nessa fase eu contei com uma bombinha manual que a minha cunhada emprestou, salvou minha vida, em pouco tempo eu tirava um pouco do leite e já era suficiente para esvaziar a mama e a Eloísa não engasgar muito, ela engasgava até uns seis meses (sim, eu quase morri de pânico!).
Tá, mas tanta dor vale a pena? - CADA SEGUNDO! 
Pensar que o leite materno é a primeira vacina que o bebê recebe, nele tem tudo o que o bebê precisa, tanto que em uma amamentação exclusiva até os seis meses o bebê não precisa beber nem água, só o leite da mãe já é suficiente. Eu vejo pelo Caetano como valeu a pena essa amamentação.

E teve infinitas mamadas nas madrugadas frias, acompanhadas de muito choro por causa das cólicas, momentos de tristeza de saber que todo mundo estava dormindo e você estava ali e teria que fazer aquele ritual várias vezes durante a noite. Teve mudanças na alimentação da mamãe e tivemos que parar o carro muitas vezes para que eu pudesse amamentar. Já amamentei na praça, no banco, em pé na loja, na rua, no ônibus... rsrsrs a fome não escolhe a hora.

A Eloísa está com 9 meses e meio e mama várias vezes ao dia, meu guarda-roupas está cheio de vestidos e roupas bacanas, aposentadas, porque não permitem que eu amamente, foi assim com o Caetano, é assim agora, e ninguém morre por isso. Acho que abrir mão de algumas roupas por um tempo é o menor dos sacrifícios. As preocupações agora são somente com o crescimento e o desenvolvimento da pequena que seguem em ritmo acelerado, graças a Deus.

Cada experiência é única, cada caso é um caso e essa é a história do jeito que aconteceu por aqui. Entre lágrimas e sorrisos seguimos juntos. É o Caetano que tem que esperar mais um minutinho pra eu preparar o lanche, meu marido que tem que me buscar um copo com água,  eu que tenho que esperar pra ir ao banheiro... porque estou amamentando e todos nos esforçamos para o sucesso dessa empreitada.
Se me pedissem um conselho eu diria que todo o esforço vale a pena e que se você tiver oportunidade, não deixe ela escapar, procure orientação profissional (como eu mesma fiz várias vezes, só eles podem derrubar os mitos que rondam o ato de amamentar) e amamente pelo bem dessa vidinha que é tão sua!
Beijos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cheguei aos 33...

Amor de irmão