Amor de irmão

Uma coisa que eu nunca entendi muito bem é esse tipo de amor, filha única (e mimada), passei a vida vendo brigas de irmãos que não se desgrudam! Discutem e se abraçam... Vivem aos beliscões e se perdoam. 
Quando ficamos grávidos a primeira coisa que fizemos foi contar ao Caetano, não contamos pra mais ninguém só pra ele e conduzimos para que aquele momento fosse só nosso. Falamos sobre o quanto éramos abençoados por ter mais uma criança em nossa casa, que as alegrias seriam em dobro e (o melhor, no ponto de vista dele) os brinquedos também. E assim foi, nunca dissemos que ele perderia nada (e não permitimos que ninguém dissesse) mas que só ganharíamos com essa novidade.
Foi assim durante os 9 meses, todos os preparativos, todo enxoval. Para organizar o cantinho do bebê demos uma repaginada no quartinho do Caetano também que ganhou uma pintura nova é uma parede bem bonita. Preparamos nossa vida, nossos corações e a nossa casa para a chegada da nova vidinha. 

Quando chegou o dia do bebê nascer pensei que morreria, nunca tinha ficado longe do Caetano e agora eu ficaria longe dele e ainda para cuidar de outra criança, só eu sofri, ele tirou de letra! Dias antes comprei um carrinho e levei pra maternidade, quando a Eloísa nasceu, ligamos pra ele e dissemos que ela havia trazido um carrinho de dentro da barriga da mamãe e foi um sucesso, levou o carrinho para mostrar aos colegas da escola, ficou super feliz e até hoje mostra pra quem chega aqui.

Dizer que ele não sente ciúmes seria mentira, afinal tem outra criança em casa e essa demanda um pouco mais de atenção já que é totalmente dependente. Embora goste muito da irmã e fale isso pra ela todos os dias ele tenta chamar a nossa atenção com atitudes de bebê,  em alguns momentos quase enlouquecemos para dar conta de lidar com a situação. Chegamos ao final do dia desgastados afinal as novidades são para os pais também. 

O Caê não vê a hora da irmã crescer e começar a jogar os brinquedos! Ele nem se incomoda caso ela quebre algum, desde que brinque com ele! Rsrsrs Ele já tenta brincar com ela, e ela corresponde com deliciosos sorrisos. Rezo para que essa amizade dure para sempre, que tenha brigas para ensiná-los a lidar com os conflitos, que os ensine a compartilhar e serem generosos e acima de tudo uma forma de amor inexplicável.

E por aí, tem amor de irmão também?
Beijos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cheguei aos 33...

"Look de Segunda..." (Editado)